segunda-feira, 4 de junho de 2007

" D e b o c h e s "

Você, Poeta

- Vô, cê poeta havia de ser,
com palavras, bem acomodadas,
deboches tímidos,
cê não conseguia conter.

A inocência do neto
clamava em saber
como o velho escritor
omitia de seus versos
o mundo romântico
que animava seu viver.

O vô se divertia em dizer:
"não sou poeta,
nem hei de ser,
sou apenas um debochado,
vai meu poeta,
romantismo é com você."

De um causo da vida,
seus deboches cuidavam de trazer:
risos, lembranças,
admiração, saber.

De tudo,
pude perceber
a experiência do velho,
a inocência do jovem querer.

Vô, cê.

*ao avô chamado "vô".

Um comentário:

Tchutchu disse...

Lindo poema, Diego! Adorei o blog!

Bjs